A. A salvação é em vida (Is 55:6)

Na parábola do rico e de Lázaro, Jesus deixa claro uma verdade espiritual: após a morte não há salvação (Lc 16:19-31).

A Bíblia nos ensina que: 

"E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois disto, o juízo" (Hb 9:27).

Por isso o apelo de Isaías deve soar ainda mais forte: 

"Buscai ao Senhor enquanto se pode achá-lo, invocai-o enquanto está perto" (Is 55:6); Ler também Ec 9:4-6; Sl 6:5.

Encontramos também na parábola do rico insensato, a pergunta que Deus lhe dirige:

"...louco, esta noite te pedirão tua alma, e o que tens preparado para quem será?" (Lc 12:16-21).

B. A salvação é individual (Ez 18:4,30)

O texto de Ez 18:4 nos mostra que cada qual será julgado pelos seus próprios pecados. Da mesma forma, em Ez 18:30 nos mostra que a salvação é individual.

Como eu não posso me arrepender pelos erros de outra pessoa, assim fica a salvação condicionada ao indivíduo. Portanto de nada adianta acender velas para os mortos, ou tentar qualquer tipo de comunicação com estes. Isto é abominação para Deus, visto que após a morte não há salvação, e mesmo em vida, a salvação só pode ser decidida pela própria pessoa.

Lembre-se: "Deus não tem netos, apenas filhos.”

C. A salvação, apesar de ser de graça, ela é caríssima (Sl 49:5-8)

A palavra de Deus nos diz que: “mais vale uma alma do que o mundo inteiro.”

Mt 16:26: “Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, que dará o homem em troca da sua alma?”

Mc 8:36: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”

Lc 9:25: “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, e se vier a perder-se, ou a causar dano a si mesmo?”

Assim sendo, ainda que você tivesse todas as riquezas deste mundo; mesmo que fosse o dono deste planeta com todas as suas riquezas minerais, vegetais e animais, ainda assim não poderia pagar o resgate de uma alma a Deus.

Nossas obras não podem salvar-nos, como está claro em Ef 2:8-9: 

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.”

Nem pode salvar-nos a nossa própria justiça (justiça aqui tem o sentido de vida justa, correta). Ler Is 64:6.

Uma vida religiosa não pode nos salvar, pois devemos nos lembrar que religião (vem de religar) é uma tentativa do homem em se religar com Deus. Mas tal religação não pode ocorrer, pois em Rm 6:23 vemos que nosso espírito, que é o vínculo de comunicação com Deus, está morto.

Portanto as tentativas religiosas, ainda que sinceras, são ineficazes. Jesus dá-nos a palavra final sobre as tentativas do homem em conquistar sua salvação.

Quando Cristo foi interrogado pelos discípulos: - quem pode então ser salvo? Jesus responde: "...aos homens é impossível" Mt 19:25-26.

D. A salvação tem que ser expiatória (Hb 9:22)

Expiação é uma vida sendo morta no lugar de outra. 

Veja a ilustração:

Uma moça foi levada ao tribunal por haver dirigido seu carro perigosamente. Diante do juiz ela confessa ser culpada. O juiz baixa o martelinho e declara: "está multada em R$ 200,00". Em seguida, desce do tribunal, tira sua capa (toga), pega sua carteira, tira os R$ 200,00 e paga a multa. A moça era sua filha!

Assim Deus fez conosco. Pagou nossa dívida por preço de sangue inocente. O sangue de Jesus.

Lv 4:1-4 , 27-35

1 O Senhor ordenou a Moisés:

2 Diga aos israelitas: Quando alguém pecar sem inten¬ção, fazendo o que é proibido em qualquer dos mandamentos do Senhor, assim se fará:

3 Se for o sacerdote ungido que pecar, trazendo culpa sobre o povo, trará ao Senhor um novilho sem defeito como oferta pelo pecado que cometeu.

4 Apresentará ao Senhor o novilho à entrada da Tenda do Encontro. Porá a mão sobre a cabeça do novilho, que será morto perante o Senhor.

27 Se for alguém da comunidade que pecar sem intenção, fazendo o que é proibido em qualquer dos mandamentos do Senhor, o seu Deus, será culpado.

28 Quando o conscientizarem do seu pecado, trará como oferta pelo peca¬do que cometeu uma cabra sem defeito.

29 Porá a mão sobre a cabeça do animal da oferta pelo pecado, que será morto no lugar dos holocaustos.

30 Então o sacerdote pegará com o dedo um pouco do sangue e o porá nas pontas do altar dos holocaustos, e derramará o restante do sangue na base do altar.

31 Então retirará toda a gordura, como se retira a gordura do sacrifício de comu-nhão; o sacerdote a queimará no altar como aroma agradável ao Senhor. Assim o sacerdote fará propiciação por esse homem, e ele será perdoado.

32 Se trouxer uma ovelha como oferta pelo pecado, terá que ser sem defeito.

33 Porá a mão sobre a cabeça do animal, que será morto como oferta pelo pecado no lugar onde é sacrificado o holocausto.

34 Então o sacerdote pegará com o dedo um pouco do sangue da oferta pelo pecado e o porá nas pontas do altar dos holocaustos, e derramará o restante do sangue na base do altar.

35 Retirará toda a gordura, como se retira a gordura do cordeiro do sacrifício de comunhão; o sacerdote a queimará no altar, em cima das ofertas dedicadas ao Senhor, preparadas no fogo. Assim o sacerdote fará em favor dele propiciação pelo pecado que cometeu, e ele será perdoado.

No Antigo Testamento, Deus instituiu uma forma de apagar provisoriamente (até o próximo pecado) os pecados de quem se arrependesse. Aquele que houvesse pecado deveria trazer uma ovelha, um cordeiro, ao sacerdote. O sacerdote então, oraria pelo pecador e colocaria suas mãos sobre a ovelha, significando que os pecados cometidos por aquele que trouxera a ovelha, estariam sendo transferidos para o animal, que em seguida era morto e oferecido a Deus através de uma fogueira onde a ovelha era queimada.

Com a expiação, Deus apaga o passado e trata o ofensor como se nunca tivesse pecado.

E. Jesus, o Cordeiro de Deus (Jo 1:29)

Aquele cordeiro simbolizava Jesus, que como o juiz da ilustração citada acima, despiu-se de sua Glória e Majestade e veio ao mundo para pagar a nossa dívida com Deus.

Se a Bíblia pode ter versículo resumido, este é João 3:16: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Deus aceitou o pagamento pela nossa transgressão!

Estudo extraído da Apostila de Adoção do Ministério Monte Sião