Lucas: 21:1-4

1. E erguendo os olhos, Jesus observou os ricos colocando suas contribuições nas caixas para coleta de ofertas.  2. Percebeu também que uma viúva pobre ofertou duas pequenas moedas judaicas.  3. E exclamou: “Com toda certeza vos asseguro que esta viúva pobre contribuiu mais do que todos eles juntos.  4. Porquanto todos os ofertantes deram daquilo que lhes sobrava; esta, porém, da sua extrema pobreza, deu tudo o que tinha, todo o seu sustento!”  

Introdução

Jesus estava no templo observando o que era deixado no Altar e o que Ele observou foi o comportamento de cada um.

Este capítulo começa com a oferta da viúva, ao meio fala  da Vinda do Messias e encerra descrevendo a dedicação de Jesus enquanto esteve nesta terra, então, creio que este contexto não está descrevendo apenas as ofertas financeiras e sim um comportamento de entrega e confiança. Observemos alguns pontos interessantes neste contexto:

1) Onde estava o coração daqueles homens ricos citados no texto?

Observemos o que Jesus ensinou no capítulo 12, deste mesmo livro, do versículo 19 ao 21:

Lucas: 12. 19. E assim direi à minha alma: tens grande quantidade de bens, depositados para muitos anos; agora tranqüiliza-te, come, bebe e diverte-te!  20. Contudo, Deus lhe afirmou: ‘Tolo! Esta mesma noite arrebatarei a tua alma. E todos os bens que tens entesourado para quem ficarão?’.  21. Isso também acontece com quem poupa riquezas para si mesmo, mas não é rico para com Deus”.

2) Onde estava o coração daquela viúva:

Ela tinha poucas moedas e poderia comprar algo para se alimentar e desesperar o seu coração, mas ela decidiu confiar no Senhor e entregar a Ele tudo o que tinha. Ela sabia que era pouquíssimo, mas era o que ela tinha e ela decidiu dedicar aquele pouco que tinha ao Senhor.

Isso nos faz lembrar dos ensinos de Jesus na parábola dos talentos em Lc 19:11-27/ Mt 25:14-30, quando faz uma dura repreensão sobre guardar e não multiplicar, porém, aquela viúva depositou seus pequenos recursos no banco do Céu.

Conclusão: Ela estava aprendendo tudo quanto Jesus estava ensinando e, colocando em prática os conhecimentos.

Ela não se importou com sua própria vida, lição que ela aprendeu na aula que Jesus deu em Lucas: 14. 26. “Se alguém deseja seguir-me e ama a seu pai, sua mãe, sua esposa, seus filhos, seus irmãos e irmãs, e até mesmo a sua própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo.  

Aplicação pessoal:

Neste tempo Jesus está nos observando e o que Ele vê:

- Onde temos gastado nossa vida?

- Em quem temos colocado nossa confiança?

- Para quem temos entesourado?

Para meditar:

Lucas: 13. 7. E, por isso, recomendou ao vinicultor: ‘Este é o terceiro ano que venho buscar os frutos desta figueira e não acho. Sendo assim, podes cortá-la! Para que está ela ainda ocupando inutilmente a boa terra?’.

8. O vinicultor, porém, lhe rogou: ‘Senhor, deixa-a ainda por mais um ano, e eu cuidarei dela, cavando ao seu redor e a adubando.  

9. Se vier a dar fruto no próximo ano, muito bem; caso contrário, mandarás cortá-la!". 

É certo que a aptidão daquele produtor era em videira, mas nem por isso ele deixou que oliveira se perdesse. Mesmo que aquela não era sua especialidade, ele se importou com aquela vida.

Esse é o nosso papel como igreja de Jesus: nos importarmos com aqueles que estão estéreis e lhes oferecer cuidados para que não sejam cortados dos planos do Senhor.

Esboço: Marcia Lembrance Morello